V Ciclo de Master Classes

Cursos intensivos de prática instrumental, orientados por professores nacionais ou estrangeiros de reconhecido prestígio no plano nacional e internacional. É uma atividade de crucial importância para o desenvolvimento das aprendizagens dos alunos, onde surge a possibilidade destes tomarem contacto com outros profissionais da música e experienciarem outras formas de aprendizagem, quer em contexto de grupo, quer em partilha de experiências. Master classes:

17 e 18 de dezembro de 2018

Instrumento Professor do OLCA Professor Convidado
Trompete Alfredo Lopes Sérgio Pacheco
Trompa Bruno Cruz Luís Vieira
Trombone Diogo Santos Paulo Alves
Percussão António Casal Jean-François Lézé
Flauta Transversal Neuza Bettencourt e João Pedro Fonseca Katharine Rawdon

 

 

19 e 20 de dezembro de 2018

Instrumento Professor do OLCA Professor Convidado
Clarinete Luís Casalinho e Paulo Bernardino Paulo Gaspar

 

Saxofone José António Lopes,

Nuno Mendes e Joel Rodrigues

Rodrigo Lima

 

Tuba Gil Gonçalves

 

Adélio Carneiro

 

 

Horários:

17 e 18 de dezembro de 2018–  9h30 às 12h30 – 14h30 às 18h30 (18h30 –Concerto Final e entrega de diplomas)

19 e 20 de dezembro de 2018–  9h30 às 12h30 – 14h30 às 18h30 (18h30 –Concerto Final e entrega de diplomas)

 

Inscrições:

10 de dezembro de 2018.
(inicia com um nº mínimo de 10 inscrições)

Inscrições on-line através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScVLXuAHtZXgKtW7KNDD1r0iLuzGiOdT22TCW2stCBGMHSLCA/viewform


PROFESSORES:

Adélio Carneiro – Tuba

Natural de Vila Nova de Famalicão, iniciou os seus estudos musicais na Escola Profissional Artística do Vale do Ave na classe de trompete do professor Paulo Silva, e mais tarde na classe de tuba do professor Alexandre Fonseca. Em 1998, ingressou na Academia Nacional Superior de Orquestra na classe do professor Sérgio Carolino. Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian prosseguiu os estudos na Suiça, na Hochschule Musik und Theater Zürich na classe do professor Anne Jelle-Visser. Em 2012, obteve o grau de mestre pela Escola Superior de Música de Lisboa.

Como músico convidado, já colaborou com diversas orquestras nacionais e internacionais. Apresentou-se a solo e em grupos de música de câmara, em Portugal, Espanha, França, Itália, Suiça, Áustria, Hungria, Alemanha, Escócia e Holanda.

Atualmente frequenta o Doutoramento em Artes Musicais, na Faculdade Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa e exerce a sua atividade como docente da classe de tuba na Escola Superior Música de Lisboa, na Escola Profissional Metropolitana e Academia Nacional Superior de Orquestra.

É membro fundador do Ensemble de Metais LXbrass, dos Brass Factory com qual gravou o CD  “A Tribute to Frank Zappa”, membro do Grupo de Metais do Seixal e “GMS Portuguese Brass”.

Jean-François Lézé – Percussão

Jean-François Lézé é uma referência da percussão sinfónica e é reconhecido pela sua polivalência artística. Timpaneiro, percussionista, pianista, professor e compositor, estudou no Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Lyon na classe de François Dupin (Orchestre de Paris), Georges Van Gught (Percussions de Strasbourg) e de piano com Roger Muraro. Solista convidado das Orquestras da Opéra de Lyon, Orquestra Nacional de Lyon e da Nacional de Montpellier.

De Setembro 1994 a 2002, residiu em Lisboa, e foi Chefe de Naipe de Percussão da Orquestra Metropolitana de Lisboa, professor de percussão na Academia Nacional Superior de Orquestra. A sua intensa atividade pedagógica permitiu criar uma nova geração de percussionistas portugueses trabalhando hoje nas principais orquestras nacionais. É mestre em Ensino especializado da Música pela Universidade Católica do Porto.

Desde Setembro 2002, é Timpaneiro solista da Orquestra Sinfónica do Porto-Casa da Música. Apresentou-se a solo com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, a Orquestra Clássica da Madeira, a Orquestra Nacional do Porto, a Orquestra Sinfonieta de Lisboa, a Sinfónica do Porto – Casa da Música e em formações de Música de Câmara com Bernardo Sassetti, Mario Laginha, Maria João, Artur Pizarro, Augustin Dumay, Natalia Gutman, Katia e Mariel Labéque, Yuri Bashmet e os solistas de Moscovo.

O gosto para a música erudita, o Jazz e as músicas do Mundo conduzem-no nos palcos europeus; Espanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Itália e Alemanha assim como nos palcos internacionais nos países como a China, o Japão, a Tailândia, Índia e Coreia do Sul. A paixão pela composição e o trabalho desenvolvido permitem ao Jean-François de receber várias encomendas nacionais e internacionais. Hoje, a sua música é interpretada na Europa, nos Estados Unidos e no Japão e é editada em Portugal, França e Suíça.

Desde Janeiro de 2017, Jean-François Lézé é timpaneiro solista convidado da Orquestra Filarmónica de Radio-France em Paris.

 

Katharine Rawdon – Flauta Transversal

Katharine Rawdon é uma flautista americana versátil reconhecida internacionalmente. Nomeada Artista Powell, foi escolhida pessoalmente pela lendária empresa americana para a representar em  Portugal e no estrangeiro, apresentando recitais e master classes. Em Abril, 2018, tocou no concerto inaugurativo do novo modelo Ouro 18k da Powell Flutes em Paris, ao lado de Philippe Bernold e Jean Ferrandis.

Durante 25 anos foi Chefe de Naipe de Flauta da Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de São Carlos, onde tocou com maestros de renome como Rafael Frübeck de Burgos, Nello Santi, Antonio Pirolli, and Michel Plasson. Nos Estados Unidos, tocou na Tanglewood Festival Orchestra sob os maestros Kurt Masur e Leonard Bernstein.

Katharine Rawdon tocou vários concertos de flauta, estes com uma variedade de épocas estilísticas, de Bach, a Boulez e Delgado, com as orquestras mais distintas de Portugal, e em Nova Iorque e Califórnia. Foi premiada nos concursos Artists International Debut, Fischoff, e Yellow Springs, e recebeu honras académicas incluindo a Phi Beta Kappa, e Thomas J. Watson Foundation Fellow.

É fluente no uso de todas as flautas transversais, do flautim ao contrabaixo e à flauta barroca. Tem atuado pela Europa, América, e Índia, tanto a solo como com os ensembles Syrinx:XXII, Syrinxello, La Paix du Parnasse, e Machina Mundi, e pontualmente com a Sinfonia Varsóvia, e o Quarteto Leipzig com a harpista Marie-Pierre Langlamet, da Filarmónica de Berlim. Foi também flautista da Orquestra Utópica, estreando dezenas de obras de compositores portugueses e estrangeiros.

Como professora, tem apresentado master classes por Portugal, e pelos Estados Unidos no Curtis Institute, em Philadelphia, para a Primavera Fund, e em Manhattan como Artista Powell. Tem servido várias vezes no júri dos Prémios Jovens Músicos, e foi co-fundadora da Academia de Flauta de Verão. Atualmente é docente na ESART, em Castelo Branco.

Em 2018 renunciou a posição na orquestra para seguir projectos criativos, incluíndo música de câmara, ensino, composição, e formação em Integrated Practice.

Por fim é diplomada de Pomona College (Califórnia) e da Manhattan School of Music, e detém o Título de Especialista da ESART-IPCB. Os professores que mais a marcaram foram Gary Woodward e Anne Zentner em Los Angeles, Carol Wincenc e Robert Dick em Nova Iorque, e Paul Verhey em Amsterdão.

 

Luís Vieira – Trompa

É natural de Castelo de Paiva, nascido no ano de 1988. Iniciou os estudos musicais aos seis anos de idade na Academia de Música de Castelo de Paiva, na classe de piano. Posteriormente iniciou o estudo da trompa, a partir dos seus 14 anos na classe do prof. Marco Costa. No ano de 2009 obteria o título de Licenciado pela Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, com o tutor Paulo Guerreiro, com elevada classificação. No ano de 2010 frequentou o Curso Livre na ESMAE (Porto) com o prof. Abel Pereira, e pós-graduação no Conservatorio Superior de Musica de Aragón (Zaragoza, Espanha) na classe de Eric Terwilligher e Sarah Willis.

De 2011 a 2013 Luís Vieira frequentou a Escuela Superior de Musica Reina Sofia (Madrid, Espanha), na classe do prof. Radovan Vlatkovic, onde recebeu das mãos da Rainha Sofia de Espanha o prémio de melhor aluno da Cátedra de Trompa. Foi bolseiro da Fundação Gulbenkian e da Fundacion Carolina. Luís terminou o seu título de Mestrado em Trompa Solista na Zurcher Hochschule der Kunste (Zurique), na classe do Prof Radovan Vlatkovic no ano de 2015.

Foi seleccionado para várias orquestras jovens como The World Orchestra (Espanha), Lucerne Festival Academy (Suiça), Schleswig-Hohlstein Youth Orchestra (Alemanha), Orquesta Joven Sinfónica de Galicia (Espanha,) entre outras.

Como músico convidado colaborou com várias orquestras profissionais, como Orchestre de la Suisse Romande (Genébra), Orchestra della Svizzera Italiana (Lugano), Orquestra Sinfónica Portuguesa (Lisboa), Orquesta Nacional de España (Madrid), Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Divino Suspiro Ensemble Barroco, entre outras.

No ano de 2011 Luís Vieira foi premiado no Prémio Jovens Musicos, na categoria Superior. Em 2012 foi seleccionado entre os últimos 14 concorrentes na Markneukirchen International Competition e foi finalista em 2013 do Citta di Porcia Music Competition.

Luís foi Academista da prestigiada Karajan Akademy da Orquestra Filarmónica de Berlim nas temporadas 2013/2014 e 2014/2015, tendo-se apresentado várias vezes com a Orquestra e sob a direção de Sir Simon Rattle, Semyon Bychkov, Valery Gergiev, Herbert Blomstedt, Christian Thielemann, Gustavo Dudamel, Riccardo Chailly, Andris Nelssons, entre outros.

Desde a temporada 2015/2016 é Trompa Solista na Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Lecciona na Escola Superior de Musica de Lisboa e na Escola Superior de Artes Aplicadas, em Castelo Branco.

 

Paulo Alves – Trombone

Paulo Alves nascido em Tarouquela em 1985 iniciou os seus estudos na sua terra natal, prosseguindo os estudos na Academia de Castelo de Paiva, Escola Profissional de Artes da Beira interior e Academia Nacional Superior de Orquestra.

Ganhou o 1º prémio de interpretação musical em Castelo de Paiva, e em 2008 ficou em 2º lugar no concurso Internacional Terras de la Sallete. Em 2007 fica como Reserva na Orquestra de Jovens Gustav Mahler.

É professor e orientador em diversos Estágios de Orquestra para jovens realizados em diferentes pontos do país, também como professor lecionou na Escola de Música de Cruz de Pau.

Já colaborou com diversos artistas e agrupamentos musicais, dos quais se destacam Rui Veloso, Felipe La Féria, Quinteto de Metais do Seixal, Grupo Novo Rock, Big Band do Hot Club de Portugal.

Colabora frequentemente com as mais prestigiadas orquestras Portuguesas, tais como Orquestra Gulbenkian, Orquestra Metropolitana, Orquestra sinfónica Portuguesa, Orquestra do Algarve, Orquestra de Câmara Portuguesa entre outras.

Atualmente é trombonista na Banda Sinfónica da GNR e estuda na Escola Superior de Música de Lisboa na classe de Mestrado do professor Hugo Assunção.

 

Paulo Gaspar – Clarinete

Nasceu em Azambuja onde iniciou os seus estudos musicais. Em 1989 ingressou na Banda da Armada e a partir de 1991 torna-se o clarinetista dos Dixie Gang, grupo com 2 CDs gravados, mais de 700 concertos realizados e diversas representações de Portugal no estrangeiro. Ao longo da sua carreira tem realizado concertos de música de câmara com formações eruditas bem como integrando diversos grupos de jazz.

Além das enumeras gravações para a rádio e televisão, tem colaborado com alguns dos mais importantes músicos portugueses assim como com as seguintes instituições: Orquestra Sinfonia B, Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Sinfonieta de Lisboa, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian e Big Band do Hot Club de Portugal.

Tem realizado cursos de clarinete e iniciação ao jazz por todo o país. Lecionou a disciplina de clarinete nos Conservatórios Regionais de Loures, Setúbal e Santarém. É, desde 1991, professor de clarinete na Escola de Jazz do Hot Club de Portugal.

Foi aluno da Escola de Música do Conservatório Nacional e da Escola de Jazz do Hot Club de Portugal. Em 1999 concluiu a Licenciatura em Clarinete na Escola Superior de Música de Lisboa e em Março de 2006 o Mestrado em Artes Musicais na Universidade Nova de Lisboa.

Atualmente é doutorando da Universidade de Évora e professor de clarinete na Escola Superior de Música de Lisboa.

Rodrigo Lima – Saxofone

Iniciou a sua carreira na música com o maestro Gil Miranda na Banda Marcial de Fermentelos, com formação musical e saxofone. Poucos anos depois, prosseguiu os seus estudos no Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian com o professor Fernando Valente.

Completou o curso na Escola Profissional de Música de Espinho com o professor Francisco Ferreira, o Bacharelato em Saxofone na Escola Superior de Música de Lisboa com os Professores José Massarrão e Alberto Roque, Licenciatura em Saxofone na Escola Superior de Música de Lisboa com o Professor José Massarrão, Mestrado em Música e Mestrado em Ensino da Música na Escola Superior de Música de Lisboa com o Professor José Massarrão.

No ano de 2014, completa a especialização – Música para Saxofone, século XXI no Conservatoire Supérieur de Musique de Strasbourg (França), com o Professor Philippe Geiss. Actualmente, encontra-se na University of Minnesota (EUA) com o professor Dr. Preston Duncan, a frequentar o doutoramento – Doctor Musical Arts.

Desde 2009, colabora com a pianista e compositora Checa Zdenka Kosnarova como “Duo 152”. Juntos, fazem tournées pela Europa e realizam recitais que incluem algumas composições originais e repertório tradicional para saxofone e piano.

Em conjunto com outros músicos, participa em diferentes projectos. Leccionou em vários conservatórios em Portugal e administrou várias masterclasses em Portugal e no estrangeiro.

É um dos saxofones Solista na Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana em Lisboa.

Rodrigo Marques Pires de Lima é um artista E. Rousseau Mouthpieces.

 

Sérgio Pacheco – Trompete

Sérgio Pacheco é Chefe de Naipe de Trompete da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música. Completou a sua formação na ARTAVE – Escola Profissional Artística do Vale do Ave e, mais tarde, no Royal College of Music, em Londres.

Foi Primeiro Trompete Auxiliar da Orquestra Gulbenkian. Apresentou-se várias vezes com outras orquestras como, por exemplo, Gustav Mahler Youth Orchestra, European Union Youth Orchestra, Orquestra Sinfónica Portuguesa, BBC Philharmonic Orchestra e SEL – Solistes Européens Luxembourg. Iniciou em 2017, um período de experiência com a London Philharmonic Orchestra.

No âmbito da música contemporânea, colabora pontualmente com o Remix Ensemble, Orchestrutopica, GMCL, Sond’Ar-te Electric Ensemble e Vertixe Sonora. Na música barroca, tem colaborações regulares com a Orquestra Barroca Casa Da Música e Os Músicos do Tejo.

Na qualidade de solista, apresentou-se várias vezes a solo com a Orquestra Gulbenkian, Orquestra do Algarve e com a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música. Foi por duas vezes primeiro prémio no Prémio Jovens Músicos/RTP e no Concurso de Trompete de Castelo de Paiva, em nível médio e nível superior. Mais recentemente, em 2015, ganhou o Concurso Internacional de Trompete Théo Charlier, na Bélgica.

Na vertente de ensino, foi professor da classe de trompete do Instituto Piaget/Almada, ESMAE e da Escola Profissional de Música de Espinho. Para além disso, tem sido convidado para orientar masterclasses e workshops de trompete, dentro e fora do país.